A história da cartografia no Brasil

          A cartografia desenvolveu-se no Brasil a partir da Segunda Guerra Mundial em função dos interesses militares. Instituições como os atuais Instituto Cartográfico da Aeronáutica (ICA), Diretoria do Serviço Geográfico do Exército (DSG) e Diretoria de Hidrografia e Navegação (DHN), foram as principais responsáveis pela execução da Cartografia Sistemática do País, com o objetivo de mapear todo o território nacional.
Em 1890, foi criado o Serviço Geográfico Militar, anexo ao Observatório Astronômico, para a execução dos trabalhos geodésicos e geográficos da República dos Estados Unidos do Brasil.

          Em 1922, houve o aparecimento da Carta do Brasil ao Milionésimo (primeiro retrato cartográfico de corpo inteiro do país), editada pelo Clube de Engenharia, em comemoração ao centenário da Independência.

          Em 1935, a Diretoria de Hidrografia e Navegação (DHN) foi a primeira, dentre as organizações cartográficas brasileiras, a apresentar um plano cartográfico, o Plano Cartográfico Náutico.

          Em 1936, foi instalado o Instituto Nacional de Estatística e Cartografia, surge então a primeira empresa privada, no mercado brasileiro, dedicada à execução de levantamentos aerofotogramétricos, cujas preocupações básicas estavam voltadas para a prestação de serviços em Cartografia.

          Em 1938, o Instituto Nacional de Estatística e o Conselho Brasileiro de Geografia foram incorporados ao Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. O primeiro projeto do IBGE foi a "Determinação das Coordenadas das Cidades e Vilas".
Através do IBGE em 1940, pela primeira vez na história da Estatística Brasileira, os dados de coleta e tabulações do censo foram referenciados a uma base cartográfica sistematizada, pelo menos quanto às categorias administrativas Municipais e Distritais, Cidades e Vilas. A partir de então estava assegurado o georreferenciamento das estatísticas brasileiras.
Devido à necessidade de uniformização em 1946 o Conselho de Segurança Nacional institui comissão para fixar "normas para a uniformização da cartografia brasileira" e procedimentos para a coordenação dos trabalhos cartográficos. 

          Em 1972, surge o Projeto RADAM - Radar da Amazônia, com a aplicação pioneira de sensores aerotransportados radargramétricos, posteriormente o projeto foi estendido a todo território nacional – RADAMBRASIL, extinto em 1985.

          Entre 1975 e 1985 ocorreu o período de mais intensa produção cartográfica, fruto da modernização dos equipamentos e processos de produção, quando foi criado o Ministério da Ciência e Tecnologia.

          Em 1994 o Governo Federal cria a Comissão Nacional de Cartografia (CONCAR). Mantém a estrutura da representação ministerial com as mesmas exceções, IBGE, como provedor de apoio administrativo, e Associação Nacional das Empresas de Levantamentos Aeroespaciais - ANEA.
Atualmente, o IBGE é o coordenador do Sistema Cartográfico Brasileiro que é composto por entidades nacionais, públicas e privadas, que tenham por atribuição principal executar trabalhos cartográficos ou atividades correlatas.

Fonte: http://www.ibge.gov.br/cartografianobrasil.html